Notícias

Compartilhe

Facebook Tiwitter Google + i


Feira Livre é patrimônio cultural imaterial de Alfenas

por Ascom Última modificação em 28/08/2019 | 10h 41min |

A Feira Livre de Alfenas acaba de ser registrada como bem de natureza imaterial da cidade, sendo cumprida mais uma etapa do processo de tombamento cultural, iniciado em outubro de 2017. O parecer favorável ao tombamento foi apresentado pela Secretaria Municipal de Educação e Cultura, em 29 de abril de 2018. A abertura do registro da Feira Livre como Patrimônio Cultural Imaterial é uma ação do Conselho Municipal de Defesa do Patrimônio Cultural de Alfenas (CONDEPA), em conjunto com a SMEC – Secretaria de Educação e Cultura.

O ato de assinatura aconteceu neste domingo (25/08), na Feira Livre de Alfenas pelo prefeito Luiz Antonio da Silva (Luizinho), através do Decreto Nº 2.383 de 22 de agosto de 2019, que registra o bem imaterial como patrimônio histórico e cultural do município. Durante a solenidade foi prestada uma homenagem à família da professora "Dona Yvonne Martins", que a partir desse ato, a Feira Livre passa a ter o seu nome.

Estiveram presentes Lilian Mara de Castro Azevedo, atual presidente do COMDEPA; Tani Rose, secretária de Educação e Cultura; João Esteves Martins, irmão da homenageada Yvonne Martins; Isabel Cristina de Carvalho, presidente da Feira de Artesanato da Praça Getúlio Vargas; Guilherme Fernandes Gomes, presidente da AFFLA – Associação dos Feirantes das Feiras Livres de Alfenas; Vitor Marques Borges, criador intelectual da marca AFFLA – Associação dos Feirantes da Feira Live de Alfenas; professora Luciana Menezes de Carvalho, representando a UNIFAL – Universidade Federal de Alfenas; feirantes e público em geral.

Segundo o prefeito Luizinho, a feira livre levou 50 anos pra chegar a esse formato, pela vontade popular, ninguém esteve aqui fez um projeto que a feira vai ser assim ... “Ela foi se construindo, moldando, ela foi se customizando com a vontade do povo. Então, a feira é a vontade, e ela está adaptada à vontade das pessoas, a cultura das pessoas, por isso, ela tem que ser registrada e tombada, pra ser do jeito que o povo quer que seja a Feira”, descreveu o prefeito.

De acordo com o presidente da AFFLA Guilherme Mendes, a feira atualmente possui cerca de 450 barracas que gera em torno de 900 a 2000 empregos, e mais de 20.000 pessoas passam pelo local, gerando renda e serviços, o que faz crescer ainda mais a economia do município.

Com o documento assinado dá o reconhecimento definitivo de um território que possui toda a diversidade social, sendo através dos alimentos, dos artesanatos, ou das manifestações artísticas. Com o tombamento como bem cultural, a identidade da feira livre de Alfenas, que tem aproximadamente 60 anos de existência, fica protegida e não poderá ser mais deslocada para outro local.

 Origens da feira livre em Alfenas e sua diversidade

A Feira Livre de Alfenas surgiu por volta de 1960, de acordo com relatos de seus frequentadores e comerciantes. Sua importância e função durante esses anos sofreram modificações como mudança de local, quantidade de bancas de produtos e houve um processo de valorização com o tombamento como patrimônio cultural do município.